Available courses

A Análise de Pontos de Função (APF) do IFPUG usa como referência a Visão do Usuário ainda que possa ser usada em outras perspectivas e considera como usuários principalmente:

  • As pessoas que desempenham papeis no negócio e que para cumprir com suas responsabilidades devem também trocar dados com a aplicação sendo medida; e
  • Outras aplicações com as quais troca dados.

O método de medição do tamanho funcional do IFPUG, de maneira simples e consistente, permite medir os requisitos funcionais do usuário nessa perspectiva e viabiliza uma série de benefícios reconhecidos. Contudo, carece de solução para:

  • Abordar manutenções que não incluem, alteram ou excluem requisitos funcionais ou regras de negócio nessa perspectiva;
  • Como abordar manutenções cujo objetivo é melhorar o desempenho, a usabilidade ou facilidade de manutenção no software.

O problema não se resume à manutenção. Muitas aplicações da APF tem objetivos mais próximos ao microgerenciamento e não podem contar com a lógica da compensação que viabiliza o uso da APF em níveis táticos e estratégicos e nos quais as perdas em demandas com baixa produtividade anulam os ganhos em demandas com alta produtividade em relação à produtividade alvo.

Então, fica a necessidade de ponderar pontualmente funcionalidades cujo trabalho associado à sua execução não esteja adequadamente refletido na complexidade como definida nas tabelas de complexidade da APF. Na comunidade do IFPUG, fatores como os relacionados a seguir são considerados "requisitos não funcionais" por não serem adequadamente representados na medição padrão que mede os "requisitos funcionais", por exemplo:

  • Validações de entrada de dados;
  • Operações lógicas e matemáticas;
  • Formatação de dados;
  • Movimentos internos de dados;
  • Entrega de valor para o usuário por meio de configuração de dados.

Dai surge o SNAP - Software Non-Functional Assessment Process (Processo de Avaliação não Funcional de Software) visando a partir da avaliação de requisitos não funcionais identificar itens de projeto afetados e, com base nas regras do APM - Assessment Practices Manual (Manual de Práticas de Avaliação) atualmente em sua versão 2.4, os medir em SNAP Points.

Há muitas pessoas que fogem quando lhes pedem uma estimativa. Fazem isso, porque percebem por trás daquele pedido a busca por um comprometimento com uma meta quando ainda nem se conhece o risco associado a ela. Estimativas de software são tratadas como objeto de negociação sem trocas correspondentes, porque são baseadas em sentimentos e impressões sem qualquer referência objetiva. Quando há essas referências, elas são interpretadas como oráculos que fornecem respostas determinísticas que são mal entendidas e promovem mais problemas que soluções quando disfarçam e não tratam explicitamente uma transferência de riscos. Isso é facilmente verificado em várias "calculadoras" usadas no ambiente corporativo para derivar o esforço a partir da Análise de Pontos de Função isoladamente.

Não seja uma dessas pessoas. Com este curso, você entenderá o que deve ser uma estimativa de software; terá contato com diversas técnicas aplicáveis à estimativa; e saberá diferenciar o tratamento que deve ser dado a uma estimativa de pequenos objetos do tratamento que é adequado a grandes objetos; diferenciar entre o tratamento que deve ser dado a estimativas em tempo de planejamento de portfólio e o tratamento dado a estimativas quando já se conhecem requisitos funcionais e não funcionais. 

Projetos bem sucedidos começam pelo desenvolvimento de requisitos com alta qualidade. Este curso provê as habilidades para coletar, descobrir e refinar os requisitos dos envolvidos em uma solução de software a ser desenvolvida. Aborda também como documentá-los de forma bem estruturada e organizada de maneira a comunicar aos usuários de maneira clara o entendimento da solução que será desenvolvida. O participante aprende a melhorar os processos de desenvolvimento de requisitos e a sua gestão pelo desenvolvimento de habilidades individuais para obter a informação certa dos seus usuários. Todas as atividades necessárias a este processo são descritas, bem como várias técnicas para a sua execução.

Há muitas pessoas que fogem quando lhes pedem uma estimativa. Fazem isso, porque percebem por trás daquele pedido a busca por um comprometimento com uma meta quando ainda nem se conhece o risco associado a ela. Estimativas de software são tratadas como objeto de negociação sem trocas correspondentes, porque são baseadas em sentimentos e impressões sem qualquer referência objetiva. Quando há essas referências, elas são interpretadas como oráculos que fornecem respostas determinísticas que são mal entendidas e promovem mais problemas que soluções quando disfarçam e não tratam explicitamente uma transferência de riscos. Isso é facilmente verificado em várias "calculadoras" usadas no ambiente corporativo para derivar o esforço a partir da Análise de Pontos de Função isoladamente.

Não seja uma dessas pessoas. Com este curso, você entenderá o que deve ser uma estimativa de software; terá contato com diversas técnicas aplicáveis à estimativa; e saberá diferenciar o tratamento que deve ser dado a uma estimativa de pequenos objetos do tratamento que é adequado a grandes objetos; diferenciar entre o tratamento que deve ser dado a estimativas em tempo de planejamento de portfólio e o tratamento dado a estimativas quando já se conhecem requisitos funcionais e não funcionais. 

Tutorial com objetivo de facilitar sua participação nas atividades desenvolvidas pela FATTO em nosso ambiente de ensino à distância (EAD). Contém recursos que permitem conhecer melhor o ambiente e a estratégia para a sua utilização.

 

Esta é uma versão reduzida do curso Análise de Pontos de Função: Fundamentos, Benefícios e Implantação. Contém alguns recursos e exercícios para que o participante tenha condições de avaliar o ambiente e a metodologia empregada. O acesso é gratuito. Clique aqui para se registrar e acessar o curso.

 

Apresenta uma visão geral da técnica de pontos de função; desfaz alguns mitos sobre ela; ilustra suas principais aplicações dentro da indústria de software (em especial estimativas de projetos e contratos), contemplando também um breve histórico sobre a disciplina de medição de software; e oferece a visão da FATTO para um conjunto de diretrizes gerais para a implantação e institucionalização da APF em um contexto corporativo. Saiba mais...

O objetivo deste curso de Análise de Pontos de Função é ensinar a medir (e também estimar) o tamanho funcional de um software, abordando todo o processo de contagem de pontos de função conforme o IFPUG (organização responsável pela padronização da APF) e considerações relativas à estimativa de tamanho e esforço principalmente.

O objetivo deste curso de Análise de Pontos de Função é ensinar a medir (e também estimar) o tamanho funcional de um software, abordando todo o processo de contagem de pontos de função conforme o IFPUG (organização responsável pela padronização da APF) e considerações relativas à estimativa de tamanho e esforço principalmente.

 

Esta é uma versão reduzida do curso Preparação para o Exame CFPS - Certificação do IFPUG. Contém alguns recursos e exercícios para que o participante tenha condições de avaliar o ambiente e a metodologia empregada. O acesso é gratuito. Clique aqui para se registrar e acessar o curso.

 

Oferece ao participante as condições para que tenha sucesso no rigoroso exame de certificação como Especialista em Pontos de Função (CFPS) do IFPUG. Isto envolve: apresentar o processo de certificação e a estrutura da prova, fornecer orientações para a preparação e dicas para a prova, praticar exames simulados, revisar conceitos, provocar e esclarecer dúvidas, disciplinar para o tempo disponível para a resolução do exame. Saiba mais...

Projetos bem sucedidos começam pelo desenvolvimento de requisitos com alta qualidade. Este curso provê as habilidades para coletar, descobrir e refinar os requisitos dos envolvidos em uma solução de software a ser desenvolvida. Aborda também como documentá-los de forma bem estruturada e organizada de maneira a comunicar aos usuários de maneira clara o entendimento da solução que será desenvolvida. O participante aprende a melhorar os processos de desenvolvimento de requisitos e a sua gestão pelo desenvolvimento de habilidades individuais para obter a informação certa dos seus usuários. Todas as atividades necessárias a este processo são descritas, bem como várias técnicas para a sua execução.

Todos os métodos de medição do tamanho funcional - FSM - de primeira geração (o definido pelo IFPUG entre eles) estabelecem limites empíricos inferiores e superiores à quantidade de pontos de função que uma funcionalidade possa medir e sua aplicação básica pontua as funcionalidades numa camada de aplicação. 

Nos cenários em que as demandas de medição incluem um número grande o suficiente de funcionalidades, isso tende a não ser um problema em função do maior potencial dos efeitos de uma funcionalidade subestimada ser anulado pelos efeitos de uma funcionalidade superestimada. 

De forma similar também, não há problema quando as demandas de medição referem-se apenas a intervenções na camada de aplicação, sem a necessidade de desenvolvimento ou manutenção em camadas de infraestrutura. Mas e se esse não for o caso... Ai entra uma próxima geração de métricas.

Quando há demandas pequenas onde uma transação no máximo pontuará 6 PF pelo método do IFPUG mesmo se houver necessidade de reformular toda uma infraestrutura na arquitetura de software, o que acontece é uma perda da previsibilidade na estimativa do esforço ou custo a partir da medição; nos modelos em que a medição cumpre o papel de prescrever o custo, aumenta-se o risco para a contratada e potencializa-se preços maiores ou desequilíbrio econômico-financeiro.

Nesses casos, demandas com muitos pontos de função e que demandam pouco esforço (não porque a equipe seja superprodutiva propriamente dita) provocam uma tendência de menores taxas de entrega em relação à taxa de entrega alvo. Demandas com poucos pontos de função mas que demandam muito esforço (não porque a equipe seja incompetente) provocam maiores taxas de entrega.

O método de medição do tamanho funcional do COSMIC não estabelece limites arbitrários para medição de uma função e naturalmente permite medir software não apenas na camada de aplicação, mas também, em camadas de infraestrutura ou mesmo quando da necessidade de uma intervenção em um componente isolado na camada de aplicação... tudo isso de forma aderente às normas da ISO (14143).

En este curso se analiza la Ingeniería de Requisitos bajo una perspectiva de gestión con
enfoque  en  las  responsabilidades  fiscales  de  calidad  del  producto  (como  fiscales  de
contratos,  analistas  del  negocio  y  gerentes  del  producto)  y  como  interfaz  con  quienes
ejecutan  el  sistema  (como  fábricas  de  software,  empresas  de  proyectos,  empresas  de
Outsourcing, consultorías de TI en general).

En este curso se analiza la Ingeniería de Requisitos bajo una perspectiva de gestión con
enfoque  en  las  responsabilidades  fiscales  de  calidad  del  producto  (como  fiscales  de
contratos,  analistas  del  negocio  y  gerentes  del  producto)  y  como  interfaz  con  quienes
ejecutan  el  sistema  (como  fábricas  de  software,  empresas  de  proyectos,  empresas  de
Outsourcing, consultorías de TI en general).

Esta es una versión reducida del Análisis de Puntos de Función cursoFundamentos, beneficios y implantación. Contiene algunas de las características y ejercicios para que el participante es capaz de evaluar el entorno y la metodología. El acceso es gratuito. Clic aquí para registrarse y acceder al curso.

El objetivo de este curso de Análisis de Puntos de Función es enseñar a medir (y a estimar) el tamaño funcional de un Software, abordando todo el proceso de la medición del tamaño funcional conforme al IFPUG (organización responsable de la estandarización del FPA) y consideraciones relativas principalmente a la estimación del tamaño y el esfuerzo.

El objetivo de este curso de Análisis de Puntos de Función es enseñar a medir (y a estimar) el tamaño funcional de un Software, abordando todo el proceso de la medición del tamaño funcional conforme al IFPUG (organización responsable de la estandarización del FPA) y consideraciones relativas principalmente a la estimación del tamaño y el esfuerzo.

Proporciona las condiciones para que el participante complete con éxito el riguroso examen de certificación como Especialista de Puntos de Función (CFPA) del IFPUG. Esto implica presentar el proceso de certificación y la estructura de la prueba, proporcionar orientación y consejos para prepararse para el examen, practicar exámenes de prueba, revisar conceptos, contestar preguntas y dar lugar a una acción disciplinada para resolver el examen con el tiempo disponible .Para más información...

Proporciona las condiciones para que el participante complete con éxito el riguroso examen de certificación como Especialista de Puntos de Función (CFPS) del IFPUG. Esto implica presentar el proceso de certificación y la estructura de la prueba, proporcionar orientación y consejos para prepararse para el examen, practicar exámenes de prueba, revisar conceptos, contestar preguntas y dar lugar a una acción disciplinada para resolver el examen con el tiempo disponible .Para más información...

El objetivo de este curso de Análisis de Puntos de Función es enseñar a medir (y a estimar) el tamaño funcional de un Software, abordando todo el proceso de la medición del tamaño funcional conforme al IFPUG (organización responsable de la estandarización del FPA) y consideraciones relativas principalmente a la estimación del tamaño y el esfuerzo.